KASULO EM DIÁLOGO

11 e 12/09

OFICINA Corpo em Diáspora - laboratório crítico

com Luciane Ramos Silva 

* participação GRATUITA

A proposta Corpo em Diáspora - laboratório crítico pretende, através de abordagem discursiva e aplicada , ampliar entendimentos sobre as linguagens de movimento e perspectivas de mundo oriundas da diáspora negra. Fundamentos para a organização corporal, repertórios de movimento bem como dinâmicas de troca entre as pessoas participantes serão associadas a um conteúdo de história da dança que descentraliza a narrativa e foca nas produções afro diaspóricas, ampliando os entendimentos sobre o vasto e plural universo da dança.

 

PÚBLICO ALVO: artistas, estudantes, pesquisadores/as das artes e interessados/as na proposta de discussão

Luciane Ramos é artista da dança, antropóloga e mediadora cultural. É doutora em Artes da Cena e mestre em antropologia pela Unicamp. Tem especialização em diáspora africana pelo David C. Driskell Center for the Study of the African Diaspora. Nos últimos dez anos desenvolveu projetos sobre corpo, cultura  e colonialidade  aprofundando as relações sul-sul entre o Brasil e contextos da África do Oeste.

foto de rosto Luciane Ramos_edited.jpg

vagas limitadas

SÁB E DOM - 10h às 14h 

 VIA ZOOM 

 

04 a 25/08

* participação GRATUITA

DANÇAS POPULARES - com Deca Madureira 

Nesta oficina, Deca desenvolverá conteúdos práticos das danças e expressões artísticas populares, com o propósito de possibilitar o contato, experiência e experimentação do corpo brincante, ampliar o repertório artístico e cultural de cada participante, fazendo assim com que conheçam e reconheçam a diversidade cultural do povo brasileiro e consequentemente o hibridismo gestual que envolve as danças brasileiras. Também é objetivo desta proposta estimular a troca das experiências entre os participantes do encontro, com foco no desenvolvimento do corpo agente, brincante, e da memória cognitiva a partir das linguagens que se inter-relacionam nas danças brasileiras (dança e expressão do corpo, música e ritmo, jogos e brincadeiras), proporcionando a experimentação livre e composição coreográfica a partir dos conteúdos trabalhados. Além da dança prática, haverá breve contextualização dos folguedos, sua origem, história, região de ocorrência, mostrando obras sonoras e imagens relacionadas, tendo como tema transversal a reflexão: SER BRASILEIRO E A CULTURA POPULAR.

PÚBLICO ALVO: bailarinos, atores, estudantes e interessados na linguagem da dança.

Deca Madureira iniciou sua carreira artística no Balé Popular do Recife, grupo fundado por seu pai em 1977. Em 2006, fundou a Cia Brasílica. Seu trabalho é baseado na investigação e criação a partir das manifestações populares brasileiras.

_edited.jpg

apenas 10 vagas por turma

INICIANTE

QUA - 14h às 15h30 

 

INTERMEDIÁRIO

QUA  - 15h45 às 17h15

 

06 a 27/07

* participação GRATUITA

DANÇAS URBANAS - com Márcio Greyk

Nesta oficina será utilizado o método de ensino Zumb.boys, que tem Márcio Greyk como diretor, trazendo o breaking como base de exploração, para possibilitar construções poéticas e estéticas. Serão abordados estudos e princípios fundamentais que colaboram diretamente para o entendimento e desenvolvimento corporal das pessoas envolvidas, através de jogos de composição cênica, propostas de trabalho singular e coletivo, estimulando a investigação do movimento partindo do experimento.


PÚBLICO ALVO: bailarinos, atores, estudantes e interessados na linguagem do teatro e da dança.

Márcio Greyk trilhou sua formação sobre o campo Artístico e Educacional, por acreditar ser ações transformadoras, por inspirar e conectar pessoas. É diretor e intérprete criador do Grupo Zumb.boys. Além de cursar Pedagogia, é assistente artístico e Arte Educador no Projeto Núcleo Luz desde de 2007. Atua como preparador corporal e provocador artístico em processos criativos de grupos e artistas independentes de dança e teatro. Idealizador e criador do "método de ensino Zumb.Boys", procedimentos que são compartilhados em cursos e workshops. Formou-se no Método de Reeducação do Movimento Ivaldo Bertazzo, paralelamente participou da Cia Teatro e Dança Ivaldo Bertazzo por 4 anos, logo após atuou na Cia Omstrab por 7 anos. Foi cofundador do grupo de pesquisas de ritmos e danças Batakerê. E desde de 2003 se dedica a pesquisas e práticas das Danças Urbanas. 

foto rosto Marcio Greyk 1_edited.jpg

INICIANTE

TER - 17h30 às 19h00 

apenas 20 vagas

INTERMEDIÁRIO

TER - 19h30 às 21h

apenas 20 vagas

 VIA ZOOM 

 
foto-ana-teixeira.jpg

apenas 50 vagas

QUI - 19h às 21h 

 VIA ZOOM 

10/06 a 15/07

CURSO ONLINE "Corpo 'universal' e a dança: as dimensões do privilégio"

com Ana Teixeira 

* participação GRATUITA

No âmbito da cena, é possível observar a perpetuação de uma lógica que impõe a valorização de um “corpo ideal”; concepção que se apresenta em diferentes linhagens de dança, não somente as clássicas. Considerando isto, o curso propõe compreender como esta retórica “naturalizada” se estabelece, buscando tensionar a constituição dos padrões hegemônicos. A proposta é questionar os motivos pelos quais, em pleno século XXI, este discurso ainda se manifesta na base da reflexão e da produção artística, mesmo disfarçado em pressupostos que buscam afirmar a pluralidade.

Artista, professora universitária e pesquisadora. Doutora em Comunicação e Semiótica (2012-PUC/SP) e mestre pelo mesmo programa (2008). Formada em Educação Física pela Universidade de Caxias do Sul (1991-UCS/RGS), e em Arts du Spectacle Mention Danse (2002-Université Paris VIII/França). É professora do curso de Comunicação das Artes do Corpo (2012-PUC/SP) das disciplinas de história do corpo na dança, composição coreográfica, aspectos históricos e teoria da dança. Foi intérprete das cias. Balé da Cidade de São Paulo e StaatsTheater Kassel (Alemanha). É membro do Centro de Estudos em Dança (CED), coordenado pela Profa. Dra. Helena Katz. É membro da diretoria da Associação dos Pesquisadores em Dança (ANDA) em que coordenou o Comitê Temático Memórias e devires em linguagens de dança (2013-2014). É pesquisadora e redatora da Enciclopédia Itaú Cultural de Dança.

 
foto-diego-1_edited.jpg

apenas 10 vagas por turma

INICIANTE

QUA - 16h45 às 17h45 
SÁB -  16h às 17h

 

INTERMEDIÁRIO

QUA  - 18h às 19h

09/06 a 03/07

* participação GRATUITA

JAZZ FUNK - com Diego Hazan 

Uma aula que une a técnica e sensualidade do Jazz com a atitude e movimentos despojados das Danças Urbanas. Por ter um teor interpretativo e coreografado, além da dança, a aula mescla técnicas de presença cênica também.Criatividade, aumento da autoestima e muita atitude são algumas das características dessa modalidade. Como benefícios físicos, o Jazz Funk trabalha muito com a musculatura de braços e pernas. Alongamento, coordenação motora e muita energia para gastar ao som de músicas fortes e marcantes, que trarão estímulo para movimentar todo o corpo.

Diego Hazan iniciou os seus estudos em Natal – RN, onde trabalhou com grandes nomes como Wanie Rose, Edson Claro, Clebio Oliveira e Marcelo Pereira. Sua maior formação foi na Escola de Dança do Teatro Alberto Maranhão, onde passou quatro anos estudando técnica Clássica e Contemporânea. Integrou a Cia de Dança do Teatro Alberto Maranhão. Possui grande bagagem dentro das danças urbanas, onde teve a oportunidade de fazer aulas de Heels Class com Yanis Marshell, Danielle Polanco e Aisha Francis. Foi bolsista do Estúdio Anacã onde teve aulas de Jazz com Edy Wilson e Magali Teixeira e de Danças Urbanas com Netto Soares e Fernanda Fiuza. Desde 2015 integra a Cia. Fragmento de Dança

 
Untitled-1.png